22 de set de 2007

Ovelha Negra, Gata Parda...

Assim ela foi…

Hi hi hi menina que sou eu
E mesmo que já cresceu
Continua tão traquina
Malvada e peçonhenta
Que papai já não me aguenta
E quer me internar...
Enfim...Optou por me castigar
Pois não pode viver sem mim...

Ouve agora...

Ai, bandida sem polimento
Corações são como pedestais
Aonde sapateias sem sentimento
Fincando teus saltos em meus degrais carnais...

Puta Amada Odiada
Dos matrimônios, tu és a fenda no cristal
Que nem merece o título de animal
Pois tu és mais que existência
“Tu és o mal”

Tu és o que a sociedade rejeita
Mas não há nada como tu
Quem aos homens enlouquece e deleita...
Tu és carvão em diamante
Deixa eu ser teu amante
Quero ser teu servente...
Mas vê se me respeita!

Andréa Cristo

Nenhum comentário: