6 de abr de 2008

Ego Excêntrico

Narcisismo é o princípio
Auto-destruição é o meio
Amor-próprio é o fim

O narcisismo me aparenta
A auto-destruição me tenta
O amor-próprio me alimenta

Se o narcismo supero
Descubro que me odeio
Se a auto-destruição supero
Descubro que me amo
Se o amor-próprio descubro
Me supero

Mas... como desmascarar o narcisismo?
Como destruir a auto-destruição?
Como encontrar o amor próprio
Se sou pura contradição?
As vezes me amo
As vezes me odeio
As vezes me creio
Ora uma beleza, ora uma aberração...
Sou diferente ao extremo
Sou o absurdo supremo
Sendo simples como um sim e um não.

Narcisista
Auto-destrutiva
Ávida do amor próprio
Que depois de encontrado
Escapa-se de minhas mãos
Como quem foge assustado
De uma real assombração.

Amor-próprio “te busco”
Auto destruição “não me enganas... eu te vejo”
Narcisismo, “estou farta de teus gracejos”
Como não ser tão humana, então?


-Andréa Cristo-

Um comentário:

Karina Maria disse...

Você escreve bem!

Lindo poema, me vi nele, a "pura contradição"...