9 de mai de 2008

Poema dedicado à Bundas Moles

Quem é você ?
Que me olha de pelo “olho do rabo”?
De gargalhar me acabo
Quando vejo estas expressões de arrogância.
E se dizem artistas,
Tais burgueses, elitistas,
Sem um pingo de personalidade,
Vazios de qualidades,
Bando de Marias vai com as outras,
Tentando em vão, eclipsar meu de halo de autenticidade...
Mas lamento, pois minha língua e minha pluma estão soltas !
Blindem seus telhados de vidro !
Pois escrevo para arrancar-lhes pelos cabelos, detrás das moitas.

Estou pouco me lixando,
Se os meus versos não são compreeendidos,
Que meu estilo não seja respeitado,
Que firam os brios dos cínicos,
Que suprima do carrasco a etiqueta de coitado.

Escrevo para desmascarar e atordoar hipócritas, repleta de afinco!
Mesmo que meus versos sejam ignorados,
Me expressarei pois, não dou trégua à covardes,
Escreverei! Escreverei! Escreverei!
Meu deleite é tombar os pseudo-estéticos-éticos e fétidos alardes!

Vá se acostumando com minha indignante presença e não tardes;
Pois, dessas bandas não me moverei mesmo que teu "olho do rabo" rasgues!

-De Cristo A.-

2 comentários:

/contraditions disse...

nossa que poema é esse?
dsahusduduhhudsahdusahudsasdah
amei.

http://aprocaralho.blogspot.com/

o'Ricci disse...

olha que isso dá samba...