18 de ago de 2011

Alprazolam, Escitalopram, Tepazepam

Não quero sentir mais nada
Num mundo que só sente odio
Inveja, medo, avareza,
De pensar e agir têm preguiça
De agir sem pensar têm certeza
Semeando injustiça
Semeando tristeza

Não quero sentir mais nada
Nem dor, compaixão, alegria...
Quero levitar numa profunda indiferença
Quero mergulhar numa profunda anedonia
Sem me importar com a solidão da noite
Nem com a podre sociedade do dia
Quero ignorar meus açoites
Quero ignorar minha rebeldia

Não quero sentir mais nada
Nem na cama, nem na mesa
Se engordo sou tratada como um lixo
Se emagreço sou tratada como uma princesa
De todos modos sou tratada sem amor
Pois o amor mudou de nome: é safadeza
Já não quero desejar nem ser desejada
Quero ser uma entidade da frieza

Não quero sentir mais nada
Alprazolam, Escitalopram, Tepazepam
Bendito alivio contra o mundo da desconexão
Poderosas armas contra os truques de Pã
Iden matando um nobre coração...
Esquecendo o ontem, o hoje e o amanhã
Os comprimidos diários, esquecidos não serão...

Adeus prazer, Adeus sofrimento
Adeus medo, Adeus valentia
Hoje nasceu um novo elemento
Sem vibração, nem sintonia...
Ao inferno, tudo e todos!
Não são dignos da minha energia
Hoje apago meu fogo vital
Me entregando à total letargia.


Andréa Cristo 2011






2 comentários:

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Alma de poesia. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Monster disse...

Monster Beats This a very well blog.